8 sinais de alerta encontrados em demonstrativos financeiros

por Equipe QuickBooks

5 minutos de leitura

As finanças de uma empresa constituem a maneira mais objetiva de avaliar a integridade dela. Como diz o ditado, “os números não mentem”. Os números podem indicar prosperidade ou penúria, mas também podem mostrar os primeiros sinais de problemas em uma empresa. Para ajudar você a reconhecer o que os números estão tentando dizer, exploraremos oito sinais identificáveis que servem como indicadores de problemas para você ou qualquer responsável por revisar suas finanças.

Como ler um demonstrativo financeiro

Antes de identificar as áreas com problemas, é necessário entender como um demonstrativo financeiro deve ser lido. Muitas pessoas simplesmente abrem o documento e analisam as receitas brutas, os lucros ou as perdas, o resultado do exercício e o fluxo de caixa. No entanto, há outras áreas que você deve conhecer.

Primeiramente, os demonstrativos financeiros são divididos em quatro áreas principais:

  • Relatório de auditoria: este é um demonstrativo preparado pelo auditor do documento que indica a avaliação e as tendências gerais baseadas na avaliação do auditor.
  • Demonstrativo financeiro: o demonstrativo em si é, na verdade, um conjunto de relatórios que fornecem uma visão geral dos fluxos de caixa e da situação financeira da empresa. Em geral, os relatórios incluídos em um demonstrativo financeiro são o balanço patrimonial, a demonstração de resultado do exercício e os demonstrativos de fluxos de caixa.
  • Observações sobre os demonstrativos financeiros: um “guia” para avaliar as práticas ou os detalhes da contabilidade da empresa para ajudar a ler o documento. Ele também pode incluir explicações sobre entradas ou itens incomuns.
  • Discussão e análise da diretoria: semelhante a um sumário executivo, trata-se de uma nota da diretoria com quaisquer informações ou tópicos que a diretoria gostaria de comunicar aos acionistas ou aos leitores do relatório. Em geral, essas informações são baseadas em partes do relatório e reunidas nesta seção, pois não necessariamente são óbvias para o leitor.

Essas seções fornecem informações valiosas que ajudarão você a determinar a rentabilidade, a liquidez e o fluxo de caixa da empresa, números importantes para determinar a solidez do negócio.

Sinais de alerta importantes

Agora que você tem uma ideia de como ler os demonstrativos financeiros, confira oito sinais que podem indicar problemas em uma empresa.

  1. Aumento do coeficiente dívida-patrimônio: indica que a empresa está contraindo mais dívidas do que é capaz de dar conta. Analise mais detalhadamente as finanças se a relação dívida-patrimônio estiver acima de 100%. Avalie também quedas no grau de cobertura dos juros, que é calculado dividindo o pagamento de juros pelos lucros operacionais. Uma taxa inferior a cinco é motivo de preocupação.
  2. Vários anos com quedas na receita: se uma empresa tem três ou mais anos de quedas nas receitas, provavelmente não constitui um bom investimento. Embora medidas de corte de custo (por exemplo, gastos supérfluos e redução do número de funcionários) possam ajudar a compensar uma diminuição das receitas, provavelmente não surtirão efeito se a empresa não se recuperou em três anos.
  3. Despesas significativas classificadas genericamente (“outros”) no balanço patrimonial: muitas organizações têm “outras despesas” que são inconciliáveis ou muito baixas para serem quantificadas, algo normal em demonstrações de resultado do exercício e balanços patrimoniais. Se esses itens de linha classificados como “outros” tiverem valores altos, se possível, descubra a que eles se referem especificamente. Identifique também se essas despesas provavelmente ocorrerão novamente.
  4. Fluxo de caixa instável: o fluxo de caixa é um bom sinal de solidez de uma empresa, mas deve apresentar flutuações. Um estoque de dinheiro pode indicar que as contas estão sendo pagas, mas que não há muitos trabalhos novos. Por outro lado, a falta de dinheiro pode indicar problemas na cobrança de trabalhos já realizados.
  5. Aumento das contas a receber ou do estoque em relação às vendas: o dinheiro atrelado a contas a receber ou já utilizado para acumular estoque não gera retorno. Embora seja importante ter uma boa quantidade de estoque para atender aos pedidos, uma empresa não deve ter uma parte significativa da receita em um depósito aguardando a concretização de vendas.
  6. Aumento das ações em circulação: quanto maior o número de ações disponíveis para compra na bolsa, mais diluída é a participação dos acionistas na empresa. Se o número de ações de uma empresa aumentar 2% ou 3% ao ano, isso indicará que ela está vendendo mais ações e diluindo o próprio valor.
  7. Passivos consistentemente mais altos que os ativos: algumas empresas têm um fluxo constante de ativos e passivos, pois seus negócios não sofrem sazonalidade nem são afetados por pressões do mercado. Entretanto, no caso de empresas mais cíclicas (por exemplo, empresas de construção durante os meses de chuva), é possível que o passivo supere os ativos. Tecnicamente, a empresa é capaz de se preparar e diminuir a discrepância. Se uma empresa apresenta um aumento consistente do passivo sem um aumento proporcional dos ativos, no entanto, isso pode ser um sinal de alavancagem excessiva.
  8. Diminuição da margem de lucro bruto: como isso indica relação entre os lucros auferidos e os custos de uma empresa ao longo de um determinado período, uma margem de lucro decrescente é motivo de preocupação. A margem de lucro deve levar em consideração não somente os custos de produção do produto ou serviço, como também o dinheiro adicional necessário para cobrir as despesas operacionais (por exemplo, custos de dívidas).

A análise dos demonstrativos financeiros de uma empresa da qual você possui ações ou na qual deseja investir fornece informações valiosas. Dedique tempo para realmente se aprofundar nos relatórios financeiros e veja os tipos de alerta que devem ser identificados. Ser capaz de compreender a complexidade das finanças de um negócio é mais um modo de assegurar o sucesso.

Se sua empresa sofre variações sazonais ou cíclicas, o gerenciamento do fluxo de caixa talvez não seja tão simples quanto o de outras empresas. Leia nosso artigo para conferir como gerenciar o fluxo de caixa sazonal do seu negócio.

Gostou desse artigo? Assine nossa newsletter e receba mais conteúdo sobre finanças para pequenas empresas. 

Curta também nossa página no Facebook e fique por dentro dos assuntos de interesse dos empreendedores.


Artigos Relacionados