Veja 4 maneiras de avaliar a sua rentabilidade

por Equipe QuickBooks

3 minutos de leitura

Se as receitas dos seus produtos e serviços estiverem cobrindo as suas despesas, você estará obtendo lucro. Porém, saber o valor do lucro em moeda não esclarece o motivo da sua rentabilidade. Ao calcular e comparar diversas métricas financeiras, você poderá identificar as áreas dos seus negócios que estão funcionando bem e aquelas que precisam melhorar. Veja as quatro mais importantes para você compreender.

1 – Margem de lucro líquido

A margem de lucro líquido, também chamada apenas de “margem de lucro”, é o panorama geral da sua rentabilidade. Para calcular a margem, divida o lucro líquido (receita total menos todas as despesas) pela receita. O que pode ser considerado uma boa margem é relativo. Alguns setores de atividade (como serviços financeiros, setor farmacêutico, setor médico e setor imobiliário) possuem margens de lucro altíssimas, enquanto outros são mais conservadores. Use os padrões do setor como referência e faça uma comparação interna anual para avaliar o seu desempenho.

A margem de lucro líquida indica se há rentabilidade ou não. Entretanto, essa é uma visão muito ampla das informações financeiras da sua empresa. Você precisará fazer mais contas para descobrir por que o número está alto ou baixo.

LEIA TAMBÉM: Aprenda a aumentar a margem de lucro do seu negócio

2 – Margem de lucro bruto

Se vender produtos físicos, a margem de lucro bruto permitirá que você se concentre na rentabilidade dos seus produtos. O lucro bruto total é a receita das vendas menos o custo dos bens vendidos, ou seja, é o lucro depois de deduzir os custos diretos de materiais e mão de obra e os custos indiretos de fabricação de produtos. Porém, ele não leva em consideração as despesas corporativas gerais.

Para calcular a margem de lucro bruto, divida o lucro bruto pela receita das vendas. Se a margem de lucro bruto for alta, isso significa que você gera bastante lucro em relação aos custos dos seus produtos. Se for menor do que 50%, os custos dos seus produtos comprometem mais da metade da receita das vendas. Ter uma margem de lucro bruto baixa não é necessariamente algo ruim, apenas significa que você precisa vender produtos suficientes para poder cobrir as suas despesas gerais. Entretanto, se estiver vendendo os mesmos produtos e a sua margem de lucro bruto estiver diminuindo anualmente, você precisará encontrar uma forma de reduzir os custos diretos dos produtos ou aumentar os preços.

Se a sua margem de lucro líquido estiver caindo, mas a margem de lucro bruto estiver como deveria estar, isso pode significar que o problema está relacionado com as despesas gerais e de vendas e não com o custo dos produtos.

3 – Análise comparativa das despesas

Se você desconfiar que algumas despesas operacionais estão aumentando, é recomendado realizar uma análise comparativa das suas despesas operacionais. A análise comparativa é uma comparação percentual lado a lado dos dados de dois anos ou mais, com esta aparência. Ela demandará um pouco mais de tempo do que um cálculo do indicador básico, mas não muito se for possível exportar os dados do seu software de contabilidade para um programa de planilhas ou realizá-lo diretamente no programa.

LEIA TAMBÉM: Saiba tudo sobre o IRPJ, o Imposto de Renda para empresas

Depois que souber os números, verifique a sua análise comparativa em busca das maiores alterações percentuais ao longo do tempo. Se houver uma boa razão para o aumento de uma despesa, não haverá problemas. Porém, se você não souber por que uma despesa aumentou ou não identificar o benefício gerado por ela, precisará fazer um exame mais minucioso.

4 – Lucro por segmento

Muitas pequenas empresas estão sujeitas à regra 80/20: 80% da receita vem de 20% dos clientes. Segmente os seus negócios em linhas de produto ou de serviço para descobrir quais áreas têm a maior receita e o maior lucro líquido.

Existem duas maneiras de calcular o lucro por segmento. Uma opção é identificar a receita e os custos específicos associados ao segmento. Se fizer isso, você acabará ignorando os custos indiretos de fabricação, como seguro empresarial, aluguel, serviços públicos e salários dos executivos.

Também é possível usar um plano de alocação de custos a fim de distribuir os custos indiretos de fabricação em cada segmento ou linha de serviços. Por exemplo, se o seu salário consistir em uma grande fatia dos custos indiretos de fabricação, você o alocará com base no tempo que investiu em cada segmento.

Artigo escrito por Patricia Poladian.

Artigos Relacionados