Balanço patrimonial: como analisar os dados no fim do ano?

por Equipe QuickBooks

3 minutos de leitura

As demonstrações contábeis são documentos de extrema relevância para a organização do seu negócio. Dentre esse conjunto de informações que seu contador pode fornecer, uma das mais importantes, com certeza, é o balanço patrimonial. Devemos entender essa demonstração como uma espécie de fotografia de todo o patrimônio da empresa em um dado momento. Dinheiro, veículos, contas a pagar… Tudo está apresentado nesse documento contábil fundamental para qualquer pessoa jurídica. Saiba mais a respeito no post de hoje!

O que é o balanço patrimonial?

Trata-se de uma demonstração contábil que retrata o patrimônio do seu negócio no momento desejado. Os dados necessários vão sendo registrados ao longo do tempo, compondo balancetes mensais, que, ao final do ano, devem ser encerrados para finalmente ser fechado o balanço patrimonial, por meio de registro na Junta Comercial da região de sua empresa.

Basicamente, ele pode ser dividido em duas colunas: ativo de um lado, e passivo e patrimônio líquido do outro.

LEIA TAMBÉM: Conheça melhor os tributos do início de ano

O ativo no balanço patrimonial

A coluna do ativo representa os bens e direitos adquiridos pela sua empresa. O ativo pode ser dividido em dois grupos: o circulante e o não-circulante. O primeiro reúne bens e direitos realizáveis dentro do curto prazo, enquanto o segundo trata das informações sobre o longo prazo.

Ativo circulante

O ativo circulante divide-se nos subgrupos a seguir:

  • Disponível: reúne o montante de caixa em dinheiro e aplicações financeiras de curto prazo;
  • Clientes: detalha as duplicatas e valores a receber decorrente de vendas a prazo;
  • Estoque: retrata o conjunto de mercadorias disponíveis para venda;
  • Despesas antecipadas: esclarece as despesas pagas, mas ainda em benefício pela empresa, como uma assinatura de jornal, por exemplo.

 Ativo não-circulante

Já o ativo não-circulante está estabelecido nos seguintes subgrupos:

  • Realizável a longo prazo: mostra os valores que a empresa tem para receber no longo prazo;
  • Investimentos: detalha participações no capital de outras empresas e investimentos em renda variável, por exemplo;
  • Imobilizado: retrata bens como veículos, prédios e terrenos;
  • Intangível: reúne direitos não físicos, como uma patente ou marca registrada.

LEIA TAMBÉM: 4 dicas de gestão fiscal para pequenas empresas

O passivo no balanço patrimonial

A coluna seguinte explicita o passivo, que são as obrigações que sua empresa adquire com terceiros ao longo de sua trajetória. Como o ativo, divide-se em circulante (curto prazo) e não-circulante (longo prazo).

Passivo circulante e não-circulante

Ambos têm os mesmos subgrupos, porém, um trata do que for realizado no curto prazo, enquanto o outro estabelece o longo prazo:

  • Obrigações trabalhistas: são as obrigações decorrentes do relacionamento com os colaboradores de sua empresa;
  • Fornecedores: valores a serem pagos para os fornecedores de seus produtos e serviços;
  • Obrigações fiscais: impostos e outros tributos devidos ao Fisco;
  • Empréstimos e financiamentos: dívidas contraídas com instituições financeiras.

LEIA TAMBÉM: Saiba como fazer uma projeção de vendas eficiente

O patrimônio líquido no balanço patrimonial

O patrimônio líquido fica abaixo do passivo e representa as obrigações da empresa com os próprios sócios ou acionistas. É nesse grupo que está representado o valor do capital social, ou seja, o quanto os sócios investiram para o funcionamento do negócio. Lucros (ou prejuízos) conquistados e acumulados para serem distribuídos também são detalhados nessa parte da demonstração.

Não deixe de pedir a elaboração do balanço patrimonial ao seu contador. Não é uma demonstração exclusiva para grandes companhias, mas trata-se de uma ferramenta poderosa a nível gerencial para pequenas e médias empresas também. Quanto mais detalhes você souber a respeito do seu negócio, menores serão as possibilidades de falhas e prejuízos.

Gostou deste artigo? Siga-nos no Facebook ou Twitter e veja mais conteúdo sobre finanças!

Artigos Relacionados