MEI: o que preciso para ser um microempreendedor individual?

por Equipe QuickBooks

3 minutos de leitura

Em 2009, o governo brasileiro criou um projeto com o objetivo de formalizar trabalhadores que atuavam como autônomos: o microempreendedor individual (MEI). O objetivo era legalizar milhões de profissionais, que começariam a pagar impostos. Em contrapartida, esses indivíduos passaram a ter direitos trabalhistas e previdenciários, como licença maternidade, auxílio doença, pagamento de INSS etc. No entanto, ainda tem muita gente com dúvidas sobre o MEI. Leia nesse post tudo o que você precisa e quais as vantagens de ser um microempreendedor individual.

O que é o microempreendedor individual?

O MEI é um indivíduo que trabalha como autônomo, mas se legaliza para ser um pequeno empresário. Essa pessoa passa a ser enquadrada no regime de tributação do Simples Nacional, ficando isento de tributos federais, como PIS, Cofins, Imposto de Renda, entre outros.

No entanto, é necessário pagar um valor mensal para ser enquadrado como MEI. O valor em 2016 é de R$ 45 para quem trabalha no comércio ou na indústria, de R$ 49 para a prestação de serviços e de R$ 50 para os segmentos de comércio e serviços. Esse valor é direcionado para ao ICMS ou ao ISS e à Previdência Social.

LEIA TAMBÉM: Quais os direitos de deveres do MEI?

Como ser um microempreendedor individual?

Para ser um microempreendedor individual é necessário fazer o cadastro no Portal do Empreendedor. O registro da microempresa é feito na hora e o trabalhador já sai com o CNPJ em mãos.

O cadastro solicitará algumas informações pessoais, como CPF, data de nascimento, endereço da empresa etc. Nesse sentido, é importante destacar que endereços residenciais podem ser cadastrados no MEI, mas é recomendado verificar essa questão diretamente na Prefeitura.

Quais são os requisitos para ser um microempreendedor individual?

Existem alguns critérios para poder fazer o cadastro como MEI. O principal é ter um faturamento de até R$ 60 mil por ano, ou seja, R$ 5 mil por mês. Além disso, o trabalhador não pode ter outra empresa nem ser sócio.

Outra questão importante a se avaliar são as profissões que podem ser cadastradas como microempreendedor individual. Há aproximadamente 400 que permitem o registro como MEI. No entanto, se a sua profissão não estiver disponível, é necessário se formalizar como Sociedade Limitada ou Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI).

Existem também algumas situações em que o indivíduo é impedido de fazer o seu cadastro como MEI. Isso ocorre quando há informações diferentes daquelas cadastradas no CPF ou quando o sistema verifica que aquele usuário já é dono ou sócio de outra empresa.

LEIA TAMBÉM: Vejas as vantagens de se formalizar como MEI

Quais são os direitos que tenho como microempreendedor individual?

Como o MEI está formalizado, ele tem direitos trabalhistas e previdenciários, além de outras possibilidades que ajudam o trabalhador autônomo. Uma delas é a emissão de nota fiscal. Nesse sentido, vale a pena destacar que o Portal do Empreendedor formaliza nas esferas federal e estadual; para se formalizar perante a esfera municipal é necessário ir à Prefeitura e fazer o Cadastro de Contribuinte Mobiliário (CCM).

Em relação aos direitos trabalhistas e previdenciários, o microempreendedor individual tem direito a aposentadoria, auxílio doença, licença maternidade etc. O trabalhador também pode ter um colaborador.

Se o negócio crescer, o que deve ser feito?

Se o seu negócio crescer e o faturamento ultrapassar os R$ 60 mil ao ano, haverá uma taxação relativa ao valor excedente, sendo que este não deve ficar acima de R$ 72 mil. No ano seguinte, o sistema automaticamente passa essa empresa para microempresa, ou seja, o trabalhador deixa de ser um microempreendedor individual.

É importante destacar que o valor retroativo é cobrado de apenas uma vez, o que pode ser complicado para algumas empresas. Assim, o recomendado é que, quando o MEI ficar acima de R$ 60 mil por ano, o empresário já procure a mudança de categoria da empresa, evitando cobranças excessivas. Isso pode ser feito diretamente pelo Portal do Simples Nacional.

Gostou do artigo? Siga-nos no Facebook ou Twitter e veja mais conteúdo sobre finanças para pequenas empresas.

Information may be abridged and therefore incomplete. This document/information does not constitute, and should not be considered a substitute for, legal or financial advice. Each financial situation is different, the advice provided is intended to be general. Please contact your financial or legal advisors for information specific to your situation.

Artigos Relacionados

MEI: o que é, quem pode abrir e como funciona

Você já deve ter ouvido falar em MEI, não é? Mas você…

Leia Mais

Contas a pagar: coloque na agenda os impostos mensais e anuais

Empreender traz muitas vantagens, como, por exemplo, trabalhar com o que a…

Leia Mais

Contabilidade para autônomo: saiba como melhorar seu controle financeiro

O número de pessoas que decide trabalhar por conta própria está crescendo…

Leia Mais