ISS: entenda o que é e para o que serve esse imposto

por Equipe QuickBooks

4 minutos de leitura

O sistema tributário brasileiro é complexo e o empresário que não conhece os impostos pode ter surpresas desagradáveis. Neste artigo, explicamos tudo o que você precisa saber sobre o ISS.

O que é ISS

O ISS é o Imposto Sobre Serviços e veio substituir o antigo ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza). Ele é um tributo de competência dos municípios e Distrito Federal e incide sobre a prestação de serviços. É regido, a partir de 01 de agosto de 2003, pela Lei complementar 116/2003. Tem como fato gerador a relação de serviços contida na Lei nº 11.438/1997.

Quem deve contribuir com o ISS?

O ISS é pago pelas empresas prestadoras de serviços e profissionais autônomos. Aqueles que se encaixam no primeiro caso deverão recolher o ISS, além dos demais impostos – como IR, PIS, COFINS, contribuição social ou, substituídos pelo Simples Nacional, caso optante. As empresas pagam uma alíquota de 5% sobre o valor da nota fiscal, excetuando decretos municipais que incentivam serviços como o de informática que, em algumas cidades, chega a 2% (alíquota mínima – Emenda Constitucional nº 37 de 12 de junho de 2002).

O profissional com curso superior, como advogados, médicos, arquitetos, administradores, entre outros que trabalhem sem vínculo empregatício, devem contribuir com o ISS. Nesse caso, eles devem pagar a contribuição anual, conforme a tabela proveniente dos serviços. Na situação em que o profissional não esteja inscrito na prefeitura como autônomo, a contratante deverá pagar os tributos devidos, efetuando o pagamento do valor subtraído dos impostos correspondentes (valor líquido).

LEIA TAMBÉM: 5 erros no fluxo de caixa que você deve evitar

Inscrição no ISS, alteração e baixa cadastral

Pessoas jurídicas que em seu contrato social têm por objeto alguma atividade que corresponda a prestação de serviços e os autônomos com incidência do imposto deverão fazer a inscrição.

Em muitas cidades há o convênio entre a Junta Comercial e a Prefeitura. Assim, as inscrições municipais são automatizadas para pessoas jurídicas. Caso não haja convênio com a prefeitura, a empresa deve apresentar:

  • Cópia do contrato social;
  • Cartão do CNPJ;
  • Cópia da carteira de identidade e CPF dos sócios.
  • Para alteração dos dados cadastrais é necessário:
  • Cópias das carteiras de identidade e CPF dos novos sócios, se for o caso.
  • Alteração do Contrato Social devidamente registrado.
  • Cartão do CNPJ atualizado.

A documentação necessária para solicitação de baixa da inscrição do ISS é:

  • Requerimento de baixa de pessoa jurídica;
  • Distrato Social ou alteração contratual que tenha alterado o município ou ainda excluído do objeto social todas atividades de prestação de serviços, devidamente registrado;
  • Alvará original com as taxas (TFLF) pagas;
  • Os livros de registro do ISS;
  • Todas notas fiscais utilizadas nos últimos 5 anos e as em branco para serem inutilizadas;
  • Declarações do Imposto de Renda Pessoa Jurídica dos últimos 5 exercícios;

Além desses documentos podem ser requisitados outros a critério da fiscalização. Para as empresas o prazo para solicitar a baixa cadastral é de 60 dias. Para os profissionais autônomos é contado a partir do encerramento das atividades.

Modalidades de recolhimento do ISS

O ISS pode ser recolhido em três modalidades:

  • Por período mensal de acordo com a alíquota da tabela de serviços;
  • Pelo valor estimado pela fiscalização municipal;
  • De forma anual, contribuindo com um valor fixo de acordo com cada atividade desempenhada.

No caso do recolhimento mensal do ISS pode ser recolhido em três formas:

  • Pelo faturamento: por meio do auto lançamento;
  • Pela estimativa: valores apurados pela fiscalização com processo administrativo regular;
  • Sujeição passiva: regime de substituição tributária, quando o contratante dos serviços tem responsabilidade solidária com o prestador de serviços para o pagamento do tributo.

Vencimento do tributo mensal

O vencimento do tributo mensal do ISS é no mês subsequente à prestação do serviço. O dia do pagamento varia, conforme Decreto Municipal de cada cidade.

A escrituração das notas fiscais de prestação de serviços

Desde agosto de 2005 está em funcionamento o sistema GISS ONLINE que foi implantado por meio do Decreto nº 183 de 25 de julho de 2005. Com ele, os prestadores de serviço deverão escriturar e após a finalização, será emitido um boleto pagável em qualquer agência bancária.

No caso da empresa estar cadastrada no Super Simples, o prestador de serviços deverá entrar em contato com a Divisão de Receita e continuar fazendo a escrituração no GISS Online. Quando o cadastro estiver efetivado, o sistema emitirá certificado de encerramento do prestador.

A isenção do ISS

Todos os profissionais que tiverem 70 anos ou mais estão isentos dessa tributação. As empresas do Terceiro Setor que podem ser imunes ou isentas, de acordo com o artigo 150 de Imunidade Constitucional da Lei 9.532/1997.

O que acontece se eu não pagar o ISS?

No caso de não pagamento do ISS dentro do prazo pré-determinado há multa de 2% além de juros de mora de 1% ao mês. Os municípios utilizam dos recursos provenientes do ISS como verba de custeio de suas atividades rotineiras, como manutenção das vias públicas, fazendo parte do chamado caixa único.

Artigos Relacionados

Guia completo de impostos para pequenas empresas

Artigo escrito por Bruna Gala Pequenas empresas têm muitas responsabilidades, que vão…

Leia Mais

O que é COFINS e como calcular

A quantidade de tributos e impostos no Brasil é uma das maiores…

Leia Mais

O que é CSLL e como calcular a contribuição

O ordenamento tributário brasileiro divide-se em impostos, taxas, contribuições e empréstimos compulsórios.…

Leia Mais