IOF: como funciona o imposto sobre operações financeiras

9
SHARES

Se existe uma palavra que assusta o brasileiro é “imposto”. São centenas deles, com características e finalidades diferentes, que embaralham a cabeça de qualquer pessoa. Um deles é o IOF, também conhecido como Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros, que vive aparecendo na vida dos brasileiros.

Com um nome desse tamanho, é comum achar que ele é complicado. Mas com a orientação certa, tudo fica mais simples. Por isso, no post de hoje vamos explicar o que é e como calcular o IOF, para facilitar a sua vida. Confira!

O que é o IOF?

IOF é a sigla para Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguros. Como o próprio nome diz, é um imposto que incide sobre qualquer tipo de operação de crédito, câmbio, seguro ou operações relacionadas a títulos e valores mobiliários.

Para que serve?

O IOF foi criado para ser um instrumento regulatório da economia. Por meio da arrecadação desse imposto, o Governo tem como saber como está a demanda e a oferta de crédito no Brasil.

LEIA TAMBÉM: Entenda o que é e como é calculado o ICMS

Além disso, os impostos regulatórios como o IOF podem ser alterados a qualquer momento, sem a necessidade de passar por aprovação no Congresso Nacional. Isso facilita a ação do Governo para o controle do crédito.

O IOF é realmente útil?

É comum existir resistência com relação à aplicação e à necessidade de certos impostos. Com o IOF, não é diferente. Como um tributo para arrecadação, ele é muito útil para a economia — mas, em se tratando de um instrumento regulatório, alguns especialistas acreditam que ele não tem o efeito esperado.

Isso porque, quando o consumidor quer comprar, ele apenas avalia o número de parcelas e leva o produto ou serviço. A alta ou não da alíquota, que é a forma como o Governo controla o crédito, não atinge grande parte dos consumidores. Além disso, uma boa fatia da população tem outras opções de crédito que não são atingidas pelo IOF, como cartões de lojas e parcelamentos sem juros.

Quais são as taxas do IOF?

É bom sempre ficar atento pra evitar erros na gestão financeira, pois, como explicamos anteriormente, ele é um imposto regulatório que pode ser alterado a qualquer momento.

Por ser incidido em diversas operações, o IOF tem alíquotas, ou taxas, diferentes para cada uma delas:

- 3% ao ano para pessoa física;

- 0,38% na abertura da operação de crédito;

- Máximo de 25% para operações de câmbio e de seguro;

- 1,5% ao dia para títulos e valores imobiliários.

Como calcular o IOF?

A alíquota do IOF é diária — ou seja, se você ficou negativado no salto da conta-corrente ao final do dia, o imposto será cobrado. Porém, apesar de ser calculado com base diária, seu recolhimento é mensal.

LEIA TAMBÉM: O que é e como é calculado o ISS

Para ficar mais claro, vamos imaginar que você tinha em conta R$1.000 e teve um débito no dia de R$2.000. O cálculo deve ser esse:

0,38% x R$ 1000,00 / 100

Ao final desse dia, o IOF será de R$3,80. É importante se lembrar também de que se deve acrescentar a taxa de juros do banco, que varia de instituição para instituição.