4 dicas para lidar com a inadimplência de seus clientes

0
SHARES

Com a crise financeira, o fantasma da inadimplência assombra ainda mais os gestores. De acordo com o SPC Brasil, o número de consumidores inadimplentes cresceu e já atinge 57 milhões de brasileiros. Pelo lado das empresas não é diferente: dados do Serasa Experian apontam que metade das organizações também estão enfrentando dificuldades para cumprir com as suas obrigações. Dessa forma, tanto os gestores que atuam com pessoas físicas quanto aqueles que prestam serviços para outras empresas enfrentam o perigo de não receberem em dia.

LEIA TAMBÉM: Veja 5 dicas para cobrar de clientes inadimplentes

Enfrentar a inadimplência é uma tarefa difícil e muito delicada. Difícil porque é preciso criar políticas internas bem elaboradas nesses casos, além de adotar uma série de outras medidas, como a contratação de um serviço de cobrança recorrente eficaz, por exemplo. Por outro lado, é delicada porque estamos falando de clientes, que têm direitos e podem ser constrangidos no ato de cobrança caso ela seja de maneira agressiva. Há um risco de perdermos em relacionamento e, na pior das hipóteses, recebermos uma intimação judicial.

Para te ajudar a enfrentar esse fantasma, resolvemos trazer 4 passos para diminuir a inadimplência de seus clientes. Confira!

1 - Prevenção

Se você presta serviços ou vende mercadorias para outras empresas, o ideal é contar com algum serviço de consulta de crédito. Esse tipo de serviço costuma cobrar mensalidades ou, ainda, pagamentos específicos para cada consulta, e pode ajudar a definir se você deve ou não prestar o serviço para determinado cliente, seja ele empresa ou pessoa física.

Você pode conferir se existem pagamentos pendentes no nome da pessoa, protestos, entre muitas outras informações. Afastar os maus pagadores é o primeiro passo para evitar dores de cabeça no futuro com a cobrança ou, ainda, com futuras ações judiciais.

LEIA TAMBÉM: Veja 7 dicas para quitar suas dívidas

Caso você preste serviço para outras empresas, procure realizar reuniões na sede delas, já que não é raro o caso de empresas fantasmas ou que não são o que aparentam em seus sites. Além disso, o ideal é você verificar com frequência a situação do cliente, uma vez que ela pode mudar.

2 - Tecnologia

Sistemas de cobranças recorrentes ajudam o gestor a acompanhar cada um dos seus clientes, mostrando a situação deles, boletos, pendências, histórico, entre muitas outras informações. Quando se trata da venda mercadorias a prazo, vendas ou serviços por assinaturas mensais, ou a prestação de serviços em larga escala, esse tipo de sistema é ainda mais importante.

Além disso, contar com um bom software de gestão financeira também é uma ótima maneira de diminuir a inadimplência, já que, junto ao sistema de cobrança recorrente, ele ajuda a monitorar todas as entradas de caixa, futuras transações, entre outros.

O QuickBooks ZeroPaper tem ferramentas de gestão financeira que ajudam sua empresa. Faça seu cadastro grátis!

3 - Cobrança

A cobrança deve ser realizada com todo o cuidado. Nunca aborde um cliente de maneira invasiva. Para começar, tenha algum sistema para o envio de notificações automática para os clientes, avisando sobre os prazos de pagamento em um período razoável — 5 dias úteis antes do vencimento é um ótimo período. Essas mensagens podem ser enviadas por SMS ou ainda por e-mail.

Além disso, a notificação também deve ser feita em caso de atrasos, sempre de maneira cordial, mas deixando claro que o atraso tem suas consequências — normalmente é estipulado em contrato a cobrança de multas, por exemplo.

LEIA TAMBÉM: Veja dicas para lidar com reclamações de clientes

4 - Premiação

O último passo, muito importante para o nosso objetivo, é criar premiações para os bons pagadores. Essa estratégia é antiga e costuma dar muito certo. Normalmente, o que muitas organizações fazem é ceder descontos caso o pagamento seja feito antes do vencimento. A premiação é uma forma de estimular os seus clientes a pagarem em dia, e também ajudar a melhorar o relacionamento.

Gostou do texto? Então siga-nos no Facebook ou Twitter e veja mais conteúdo sobre finanças para empresas.